4 de fevereiro de 2012

Lendas da F1 - Gilles Villeneuve


Gilles Villeneuve, foi um dos meus primeiros idolos na F1. Seu estilo de pilotagem, extremamente agressivo, despertou muito cedo minha atenção para o esporte a motor. 

Para aqueles que não tiveram a oportunidade de assisti-lo em ação, ou até mesmo de saber um pouco de sua trajetória, que tal um mergulho em sua história? 

Depois do Comendador Enzo, Villeneuve foi uma das figuras mais importantes na história da equipe Ferrari.
O canadense foi um piloto fora de série. Era extramente rápido, combativo, tinha uma habilidade fora da normalidade, para pilotar, e também destruir carros. Foi um piloto genial, e também maluco, diriam alguns.

Sua trajetória na F1 foi curta. Correu na categoria entre 1977 e 1982, disputou 67 corridas e venceu apenas seis vezes, jamais foi campeão na F1.


Em 1976 o canadense chamou a atenção numa prova da Formula Atlantic, na qual participaram pilotos de F1.
Gilles então campeão dessa categoria barbarizou na pilotagem, venceu a corrida e deixou para trás pilotos experientes da categoria máxima do automobilismo.
Impressionado com a desempenho do jovem piloto, James Hunt, o então campeão Mundial, convidou Villeneuve a pilotar o terceiro carro da McLaren em Silverstone no ano seguinte.

O jovem Villeneuve colocou sua McLaren em nono na classificação. Na corrida, devido a problemas mecânicos acabou apenas em 11º. Depois disso não foi mais convidado a pilotar pelo time inglês, mas as portas da categoria se abriram para a jovem revelação.

Gilles Villeneuve acabou sendo convidado a pilotar pela casa de Maranello, Enzo Ferrari estava fascinado com seu arrojo. 


A bordo da Ferrari, a F1 assistiu a lenda surgir. Foram muitas corridas fantásticas, com momentos da mais pura bravura, e também uma série de acidentes impressionantes que acabou lhe rendendo o apelido de “piloto voador”.

Ele fez coisas na pista que deixariam qualquer um de cabelo em pé hoje em dia. Lewis Hamilton da McLaren, apontado como um dos pilotos mais arrojados na nova geração seria considerado juvenil perto desse canadense, pelo seu estilo kamikaze e completa loucura nas pistas. 


Villeneuve protagonizou duelos que ficaram marcados na história da categoria, como a luta com Rene Arnoux no Grande Prêmio da França em 1979.
Ambos duelaram pelo segundo lugar nas últimas quatro ou cinco voltas da corrida, chegando a trocar de posição cinco vezes em apenas meia volta.

Todos no circuito estavam arrepiados, as câmeras da TV quase deixaram de registrar a vitória de Jean-Pierre Jabouille, da Renault. Pois todos queriam saber quem seria o segundo colocado naquele embate histórico. No fim, Villeneuve levou a melhor.

No final da corrida, respondendo aos críticos que classificaram as manobras de ambos os pilotos de "perigosas", Villeneuve respondeu apenas: "Foi divertido."
Esse era Gilles na essência, um piloto que jamais desistia, até o dia em que a sorte o abandonou.

Foi no fatídico treino para o GP da Bélgica, disputado em Zolder em 1982 que
Villeneuve perdeu a vida.
 O canadense bateu na traseira do carro de Jochen Mass, e sua Ferrari saiu em piruetas se desmanchando pela pista. Nascia o mito.

5 comentários:

Eduardo De Campos disse...

Ele realmente era fantástico.

Li em algum lugar esses dias que, se ele corresse hoje em dia, seria "convidado" a todo instante a dar um passeio nos boxes para cumprir punições.

Aproveito para agradecer a força através daquelas sábias palavras do Dalai Lama.

Abraço!!!!

TW disse...

Marcelonso,

esse foi outro que se foi cedo demais e merecia ter sido campeão mundial! Chegou perto em 79, mas perdeu para seu companheiro de equipe, Scheckter.

Belo post!

abs

Marcelo Betioli disse...

Marcelo.

Belo post.
Não cheguei a ver Gilles correr, mas a minha sorte é que existem vídeos a respeito.

Abraços.

Marcos Antônio Filho disse...

Nunca vi Gilles correr ao vivo,mas é gênio. um dos poucos que correram na Ferrari que tem meu respeito.

Ron Groo disse...

Textaço!

Este é o unico caso de um piloto que pode ser posto ao lado dos grandes campeões mas que não tem título.
O homem foi sensacional.