15 de agosto de 2018

ALONSO

Fernando Alonso anunciou ontem, sua retirada da F1 ao final da atual temporada.

O espanhol está longe de ser um dos pilotos mais simpáticos do grid.

Conheço uma penca de blogueiros que torcem o nariz a cada vez que o espanhol aparece. 

O estilo marrento e egoísta de Alonso desperta sentimentos antagônicos.

Apesar do talento nato,  o espanhol não venceu na categoria tanto quanto poderia. Suas escolhas equivocadas ao longo da carreira, mesclada ao seu temperamento difícil contribuiu para o hiato de conquistas na F1. 

O terceiro "AZ" tão sonhado, ficou pelo caminho

Seu ultimo título na F1 aconteceu a 12 anos. 

De todo modo seus números, são impressionantes na F1: dois Mundiais, 32 vitórias, 97 pódios, 22 poles em pouco mais de 300 GPs.

O fato é que todos concordam numa coisa,  o sujeito é fora da curva, um gênio do esporte a motor.

Alonso é aquele tipo de piloto com um talento raro, capaz de tirar leite de pedra. No entanto, milagre ele não faz. E numa categoria onde a luta pelo campeonato está restrita a dois carros, e sem a perspectiva poder guiar um deles, o espanhol decidiu procurar novos desafios.

Ainda que Alonso não tenha confimado seu destino em 2019, o caminho natural indica a mudança para a Indy, com participação no WEC.

Não é segredo para ninguém seu desejo em conquistar a tríplice coroa do esporte a motor. Le Mans e Mônaco já fazem parte do seu vitorioso curriculo. Só está faltando a vitória em Indianapolis. Que o espanhol seja feliz em sua nova fase.

10 de agosto de 2018

CORES UNIDAS

Fechando a semana com o colorido da Benetton de Alessandro Nanini.  

Pela performance apresentada em 1989, tudo levava a crer que Alessandro Nanini faria uma bela temporada em 1990. O piloto italiano vivia uma boa fase. Havia um viés de alta.

A chegada de Nélson Piquet na equipe, foi determinante para que o italiano se aprimorasse no desenvolvimento do carro. Mas um acidente de helicóptero, em 1990,encerrou sua carreira na F1. O piloto italiano teve o braço amputado,e posteriormente reimplantado.

Dois anos depois, Nannini voltou a correr no Campeonato Italiano de Superturismo, onde conquistou três vitórias a bordo de um Alfa Romeo. Depois disso, enveredou pela DTM, categoria na qual permaneceu por duas temporada (1993 e 1994) e acumulou quatro vitórias.

Em 1995, o italiano migrou com a Alfa Romeo para o Campeonato Internacional de Turismo (ITC), onde ficou por mais duas temporadas e conquistou sete vitórias.

Com o fim do ITC em 1997, Nannini mudou novamente de categoria. O italiano assinou com a Mercedes para disputar o Mundial de Grand Turismo. Sob as cores da escuderia alemã, Alessandro Nannini conquistou sua última vitória como piloto profissional, e caprichosamente quis o destino que fosse em Suzuka, palco de sua única vitória na F1.


9 de agosto de 2018

BRUCE

Em algum lugar do passado, Bruce McLaren, piloto e fundador da Bruce McLaren Motor Racing Ltda.

8 de agosto de 2018

LEÃO

Nigel Ernest James Mansell, o aniversariante do dia, completa 65 anos. 

O Leão participou de uma época dourada na F1. Fez parte de uma geração de pilotos excepcionais, como Lauda,Piquet, Prost, Senna e por ai vai...

Na F1 foram 15 temporadas, 187 GPs, 31 vitórias, 32 poles, 59 pódios e 30 melhores voltas. Foi campeão em 1992, a bordo de uma das máquinas mais fantásticas de história, a Williams FW14B.

Mas o que marcou sua carreira foi sua mudança para a Indy em 1993. Zangado com Frank Williams e todo o circo após a conquista do Mundial, sem obter o reconhecimento devido, o piloto inglês anunciou sua mudança para a categoria estadunidense.

Apesar da surpresa pela decisão intempestiva do piloto inglês, ninguém acreditava que Mansell pudesse desembarcar numa categoria tão diferente, enfrentar os locais e vence-los. Naquela época corriam na Indy: Emerson Fittipaldi, Mario Andretti, Paul Tracy, Bobby Rahal, Raul Boesel, Al Unser Jr entre outras feras...

Mas o Leão surpreendeu a todos e venceu o campeonato de forma espetacular. Em 16 etapas, terminou dez vezes no pódio. Foram 5 vitórias em sua temporada de estréia.  

O piloto inglês abriu de forma definitiva a porta para outros pilotos da F1 que viriam a seguir. E o mais importante, ganhou o reconhecimento que lhe era devido.


7 de agosto de 2018

CIGARETTES


Pinturas emblemáticas, como essa da McLaren, marcaram época na categoria. A parceria entre a McLaren e a Marlboro durou 22 anos (1974-1996).

Ainda que entre 1997 e 2005, a equipe britânica tenha trocado a marca, passando a utilizar cinza e preto dos cigarros alemães West, no imaginário do amante do esporte a motor, a equipe inglesa terá sempre um lugar especial vestindo as cores branco e vermelho.

6 de agosto de 2018

NO TÚNEL DO TEMPO

Rubens Barrichello a bordo da simpática Jordan 931 Hart - GP da França 1993. 

O piloto brasileiro recém chegado a F1, fazia apenas a sua oitava participação na categoria. Até então, anotava a sua melhor colocação, sétimo lugar. Mas, naquele tempo apenas os seis primeiros pontuavam.

Alain Prost seguido por Damon Hill, fizeram a dobradinha da Williams Renault em terras francesas. Michael Schumacher, a bordo da Benetton, completou o pódio, em terceiro. 

3 de agosto de 2018

RAPIDINHAS

DANÇA DAS CADEIRAS
Daniel Ricciardo anunciou que deixará a Red Bull ao final da atual temporada. O jovem piloto australiano se juntará a Renault, onde deverá formar dupla com Nico Hulkenberg. Há quem afirme que a opção da Red Bull pela motorização Honda tenha sido o motivo da mudança de equipe. Por outro lado, há quem diga que a predileção da equipe por Verstappen teria sido determinante. De todo modo, Ricciardo é um piloto muito talentoso que reúne todas as condições para ter muito sucesso no time francês.

DANÇA DAS CADEIRAS II
Com a vaga aberta na equipe das latinhas energéticas, o caminho natural aponta para Carlos Sainz Jr. No entanto, existe a chance do jovem espanhol seguir para a McLaren, onde formaria dupla com Fernando Alonso. Caso a opção de Sainz seja mesmo a equipe inglesa, a vaga no time rubro-taurino deverá ser ocupada por Pierri Gasly.

DANÇA DAS CADEIRAS III
Pelas bandas da Ferrari, Kimi Raikkonen aguarda a sinalização da equipe italiana sobre seu futuro. O homem de gelo confirmou que deseja permanecer em Maranello, mas a decisão está exclusivamente nas mãos da Ferrari. Os italianos estão em dúvida entre a efetivação do jovem Charles Lecrec e a manutenção do experiente Kimi Raikonnen. Existem prós e contras nas duas soluções. Segundo informações da mídia européia, Vettel ficaria mais a vontade com a permanência do finlandês. A manter sua tradição, logo após as férias de verão, em Monza, a Ferrari deverá fazer o anuncio oficial. 

LAUDA
A ausência de Niki Lauda dos últimos dois GPs (Alemanha e Hungria), foi justificada pela Mercedes como uma medida para o ex-piloto tratar de uma gripe severa. No entanto, o quadro de saúde de Lauda era muito mais grave. Segundo informações divulgadas pelo Hospital Geral de Viena, o tricampeão passou por uma operação de transplante de pulmão, a qual foi bem sucedida. Lauda segue internado e sua condição é grave. Fica a nossa oração por sua melhora.

2 de agosto de 2018

LOW RIDER (16)

Nakajima San resgatando o espaço Low Rider, com a Lotus Camel Honda 100T.

Apesar do então excelente motor japonês, o modelo estava longe de ser competitivo. Ainda assim, a tradicional escuderia inglesa fechou a temporada de 88 na quarta posição, com 23 pontos. Satoru Nakajima contribuiu com 1 ponto, conquistado no saudoso circuito de Jacarepagua, no GP do Brasil. Os demais foram anotados por Nelson Piquet.