28 de julho de 2016

Rapidinhas

CONTAGEM REGRESSIVA
Circula a informação que Daniil Kvyat não seguirá na Toro Rosso em 2017. A noticia partiu da agência de notícias russa "Izvestia". O fraco desempenho apresentado desde seu retorno a escuderia de Faeza teria sido determinante para sua substituição ao final da temporada. O piloto francês Pierre Gasly, atual líder da GP2, está bem cotado para assumir a vaga. Kvyat negocia com a Williams.

FORA
James Alisson não faz mais parte do quadro de funcionários da Ferrari. A ausência de bons resultados e a eminente perda da vice-liderança para o time das latinhas energéticas foram determinantes para a sua substituição. Para seu lugar, a Scuderia promeverá o engenheiro Mattia Binotto. A mudança evidentemente, não resolverá absolutamente nada. James Alisson deverá assinar com a Renault.

EL FÓDON
Em recente declaração a imprensa espanhola, Fernando Alonso, afirmou que apesar do contrato vigente com a McLaren até o final do próximo ano, a sua permanência na categoria está condicionada as novas regras a serem adotadas pela F-1 em 2017. Segundo o espanhol, os carros atuais além de lentos, obrigam o piloto a economizar o tempo inteiro, contrariando o extinto natural de todo piloto que busca andar no limite. Ou seja, se o novo carro recuperar a o prazer de guiar, Alonso permanecerá na categoria. A conferir...

Ilustrando o post, a imagem da primeira vitória de Rubens Barrichello na F-1, em Hockenheim - 2000.


27 de julho de 2016

Hockenheimring/16 - Programação


Após a mutilação imposta a Hockenheim, com a destruição do trecho que cortava a mística Floresta Negra, o circuito alemão perdeu seu encanto. O traçado atual, reformado por vocês sabem quem, não tem nada de especial, muito pelo contrário.

Em 2001, no último ano do traçado original, na reta logo após a Ostkurve, os carros chegavam a incríveis 345 km/h...

O antigo traçado guarda algumas histórias...

Jim Clark morreu na pista alemã, em 1968, durante uma corrida de F-2.

Em 1982 Nelson Piquet protagonizou uma da cena de telecatch, ao desferir alguns socos em Eliseo Salazar, após o piloto chileno tira-lo da corrida, quando tomava uma volta do brasileiro que liderava a prova.

Foi em Hockenheim que Senna teve duas experiências nada agradáveis.

A primeira foi em 1984. Buscando compensar a pouca potência de sua Toleman, resolveu apostar na aerodinâmica e foi para a pista com a asa traseiro em zero. No treino a tática funcionou, Senna marcou o nono tempo. Mas na corrida não deu certo. Na quarta volta a asa traseira da Toleman saiu voando e o piloto brasileiro por sorte não sofreu um grave acidente. A segunda foi em 1991, durante uma sessão de testes. O pneu da McLaren explodiu, o carro decolou na zebra e saiu capotando várias vezes. Mais uma vez Senna teve muita sorte...

Por fim, foi justamente no místico Hockenheimring, que Rubens Barrichello conquistou talvez a sua vitória mais emblemática na categoria. Foi seu primeiro triunfo na F-1, e numa prova memorável, diga-se.

De volta aos dias atuais, Lewis Hamilton desembarca na casa do rival de olho na sexta vitória na temporada. O piloto inglês busca entrar em férias com a liderança consolidada.

Já Rosberg precisa vencer para recuperar a confiança, e se for diante do seu público será ainda melhor. A corrida promete ser interessante. Abaixo a programação;






Ayrton Senna Special - JPS

Ayrton Senna e a verdadeira Lotus. De todos os carros guiados pelo brasileiro na categoria, a meu ver, a Lotus negra e dourada JPS  tinha o fardamento mais emblemático. O capacete amarelo casava muito bem com as cores da equipe inglesa.

26 de julho de 2016

Cores Unidas

O velho Kaiser seguido de Ayrton Senna, comemorando a segunda colocação na corrida vencida por Alain Prost (Williams) no circuito de Hockeinheim ( o verdadeiro), em 1993. Mark Blundell (Ligier), completou o pódio. Senna terminou a prova na quarta posição.

25 de julho de 2016

Hungaroring -16 Pitacos

A F-1 tem um novo líder. O que parecia improvável algumas corridas atrás, aconteceu. Hamilton virou o jogo com a vitória conquistada no último domingo, em Hungaroring. Com cinco vitórias, nas últimas seis corridas, o piloto britânico caminha a passos largos rumo ao tetracampeonato.

Como se esperava, a monotonia tomou conta da corrida na Hungria. O único momento de emoção ficou resignado a largada, quando Hamilton, Rosberg e Ricciado duelaram pela ponta na curva 1.

Melhor para Hamilton que assumiu a liderança para não mais perde-la. Rosberg ainda conseguiu minimizar o prejuízo, quando recuperou a segunda posição na curva 2. A Ricciardo restou então, o degrau mais baixo do pódio. A partir desse momento a corrida estava decidida. A ordem dos três primeiros não seria mais alterada.

Ainda que nas voltas finais os oito primeiros estivessem agrupados em duplas, separados por cerca de 1 segundo, não foi suficiente para trazer maiores emoções a corrida. Até porque, como é praxe na Hungria, com a exceção da largada, ninguém passa ninguém.

O fato é que Hamilton soube aproveitar a oportunidade para conquistar a quinta vitória na temporada, a 48ª da carreira. Com mais quatro vitórias, o jovem inglês passará a ser o segundo maior vencedor da história, ficando atrás apenas de Michael Schumacher (91). Fato esse que deverá ocorrer muito em breve.

No Mundial, Hamilton assume a liderança com 192 pontos, contra 186 de Rosberg. Os 43 pontos de vantagem que Nico havia construído ao longo das 10 primeiras etapas e sua auto-confiança, foram completamente destruídos por Hamilton. O caminho para o título está sendo pavimentado.

22 de julho de 2016

Hungaroring 30 anos


O GP da Hungria chega a sua 30ª edição. O circuito húngaro apesar de travadíssimo, já foi palco de corridas históricas. E foi justamente no seu ano de estréia, em 1986, que Nelson Piquet realizou sobre Ayrton Senna, aquela que é considerada a maior ultrapassagem de todas. Sir Jackie Stewart definiu a manobra com a seguinte frase: " Foi como fazer um looping com um Boeing 747"

O traçado original de Hungaroring era ainda mais sinuoso que o atual. Buscando melhorar a segurança para pilotos e também o espetáculo, ao longo dos anos reformas foram realizadas. Algumas curvas foram extintas, retas foram alongadas (dentro do possível, é claro), mas no fundo, não surtiu efeito prático. Ultrapassar nesta pista continua sendo uma tarefa complicada, e em tempos de extrema dependência aerodinâmica, a dificuldade é potencializada.

Apesar de carregar a alcunha de "Mônaco sem paredes", de tempos em tempos, o traçado de Hungaroring é palco de corridas memoráveis. Em 1997, a bordo da modesta Arrows, Damon Hill realizou talvez a sua melhor corrida na categoria. A vitória era certa até a última volta, mas o carro do piloto britânico ficou sem gasolina na última volta,  Hill cruzou a linha de chegada na segunda posição...

Foi nesta pista que Fernando Alonso e Heikki Kovalainen subiram ao degrau mais alto do pódio pela primeira vez. Para o espanhol, foi a primeira de muitas, já para o finlandês foi a primeira e última.

Por fim, um fato curioso nestes 30 anos de corridas em terras húngaras. Em apenas uma vez, a prova aconteceu com chuva. Em 2006, numa corrida bem movimentada, Jenson Button venceu com a Honda. A equipe japonesa estava no seu segundo ano como escuderia e parecia caminhar para ser grande, mas no fim das contas conseguiu apenas essa vitória em três temporadas e acabou deixando a categoria pela porta dos fundos.


21 de julho de 2016

Ayrton Senna Special - McLaren P&B

O piloto brasileiro a bordo da icônica McLaren nas ruas do Principado Monegasco.

                                               clique na imagem para ampliar

Hungaroring-16 Programação

A F-1 chega neste final de semana a 11ª etapa do Mundial, na Hungria. Ainda que o traçado húngaro seja travadíssimo, vez por outra acontecem boas corridas...

No ano passado, o circuito de Hungaroring além de produzir uma das melhores corridas da temporada, interrompeu a sequência de 28 pódios consecutivos da escuderia Mercedes. Para quem não lembra, Sebastian Vettel numa tocada irretocável, conquistou uma bela vitória. Kvyat e Ricciardo completaram o pódio.

Vai que a história se repete neste domingo.

Até porque, existe a possibilidade da corrida ser realizada com piso molhado.

A empresa responsável pelo fornecimento de informações sobre o tempo para as equipes da categoria, informou  que os primeiros treinos deverão ser realizados com a pista seca.

No sábado a classificação também deverá acontecer sem chuva, já no domingo existe uma boa chance da corrida acontecer com piso molhado. E com chuva sabe como é, vira loteria...

Ilustrando o post, em algum lugar do passado Ayrton Senna, Riccardo Patrese, Nigel Mansell e Alain Prost em Hungaroring.