29 de março de 2017

MISTRAL

A longa reta Mistral (1,8 km), no circuito de Paul Ricard estará de volta a maior categoria do esporte a motor a partir da próxima temporada.

Na imagem acima a Williams Honda embutindo na traseira da McLaren Porsche, GP da França 1987. Neste ano, Nigel Mansell anotou a velocidade máxima de 325 km/h a bordo da máquina inglesa.

27 de março de 2017

AUSTRÁLIA - 17 - PITACOS PÓS GP

Ainda que a Ferrari tenha sido a sensação da pré-temporada, a vitória do time italiano conquistada por Sebastian Vettel, em terras australianas surpreendeu meio mundo. Nem mesmo em seus piores sonhos, Lewis Hamilton imaginou que a máquina vermelha pudesse acompanhá-lo em ritmo de corrida. 

E o foi exatamente o que aconteceu. Vettel seguiu Hamilton de perto até a parada do inglês, que por sinal foi antes da hora. O próprio Hamilton confirmou que pediu para antecipar seu pit stop devido a baixa aderência. O piloto inglês imaginou que pudesse recuperar o terreno tranquilamente, assim que o alemão realizasse sua parada. Talvez até fosse possível, não fosse a presença de Max Verstappen a sua frente, talvez.

Analisando friamente, teria sido mais lógico esperar mais quatro ou cinco voltas, mesmo com o alemão em sua cola. Fosse essa a estratégia, certamente Hamilton teria voltado a frente.

De toda forma a corrida na Austrália se resumiu a isso. Uma procissão decidida na estratégia. E o pior de tudo é que deverá ser essa a tônica da temporada.

Os carros ficaram maiores, mais velozes em curvas, mas a extrema dependência aerodinâmica praticamente aboliu a ultrapassagem. Nem mesmo a tal asa móvel surtiu efeito. E com pneus que duram uma eternidade, tudo fica ainda mais chato.

Porém, antes de sepultar o Mundial, convém esperar mais algumas corridas. Até porque, Albert Park é muito bacana, charmoso, mas não é um autódromo fixo.

Vamos aguardar para ver como serão as próximas corridas.

25 de março de 2017

AUSTRÁLIA - 17 - PITACOS DA CLASSIFICAÇÃO

A Ferrari começou o sábado mostrando força no terceiro treino livre. Sebastian Vettel terminou a sessão com a melhor marca, quase meio segundo a frente da Mercedes. Foi o suficiente para levantar dúvidas. Estaria a Scuderia escondendo o jogo?  A resposta viria a seguir, no treino classificatório...

Apesar da melhora apresentada pela Ferrari, a Mercedes mostrou na classificação que continua a frente. Ainda que não tenha sido com a facilidade que imaginava, Lewis Hamilton garantiu a pole. O jovem inglês chegou a 62 poles na carreira. Com mais três iguala Senna, e com mais seis Schumacher. Muito em breve, Hamilton será o maior recordista na história da F1.

Sebastian Vettel terminou a sessão logo atrás, em segundo. Valtteri Bottas e Kimi Raikkonen, terceiro e quarto colocados respectivamente, formam a segunda fila.

Na terceira fila uma surpresa, a presença de Romain Grosjean em sexto, ao lado de Max Verstappen. O "ex-maluco da primeira volta" conseguiu levar a Haas a sua melhor posição de largada, se não me falha a memória. Tudo bem que não teve a concorrência de Ricciardo. O piloto da casa bateu no Q3. De todo modo, Grosjean mostrou que  a "Ferrarina" tem potencial.

Felipe Massa vai largar em sétimo. Seu companheiro Lance Stroll, será o 18º no grid. Passadas três sessões livres e uma classificatória, ficou claro que a equipe inglesa lutará para ser a quarta força no Mundial. No entanto, é muito provável que na tabela de classificação o time inglês fique abaixo, uma vez que somente um piloto deverá somar pontos com frequência para a escuderia.

Entre os pilotos é senso comum que aquele que fizer a primeira curva na frente será o vencedor. Ultrapassar será uma tarefa complicada. A corrida amanhã servirá para esclarecer algumas questões.

Minha aposta: Hamilton, Vettel e Raikkonen.


24 de março de 2017

AUSTRÁLIA - 17 - PITACOS LIVRES


Duas sessões de treinos livres em terras australianas foram suficiente para constatar o óbvio, a Mercedes continua muito a frente de seus pares. Lewis Hamilton foi o mais veloz nas duas sessões de ensaios.

Dentro da escuderia alemã,  Hamilton está "nadando de braçada" em cima do seu novo parceiro, Valteri Bottas. Será uma massacre, pode apostar.

A Ferrari que tanto chamou a atenção na pré-temporada, ficou devendo. Na segunda sessão Sebastian Vettel fez o que era possível e colocou sua "Gina" entre os carros prateados.  No entanto, a distância para a Mercedes é abissal. Foram exatos 0s547. Uma eternidade, diga-se.

E o que é pior, a Red Bull está colada na escuderia italiana.

Ricciardo e Verstappen fecharam o dia logo atrás de Mercedes e Ferrari. Tirando a inversão de posições entre a equipe italiana e o time rubro-taurino, nada  mudou no pelotão da frente...

A Williams ainda não dá pra dizer onde se encontra. Felipe Massa teve problemas no câmbio e praticamente não treinou no período vespertino. Somente o novato Lance Stroll conseguiu acumular boa milhagem, mas como diria um amigo: o moleque é "café com leite". Ou seja, não conta.

Por outro lado, é importante registrar, Stroll conseguiu acumular uma boa milhagem sem nenhuma batida. Tanto que a Williams colocou uma placa nos boxes com a seguinte inscrição: "ESTAMOS A 01 DIA SEM ACIDENTES DE TRABALHO".

O mesmo não dá para dizer da Renault. Palmer rodou e bateu forte na segunda sessão. Pela tamanho do estrago os mecânicos da equipe francesa terão muito trabalho para aprontar o carro a tempo do terceiro treino livre. De todo modo, em relação a temporada passada, o carro francês guiado por Hulkenberg evidentemente, demonstrou potencial. Arriscaria dizer que a equipe francesa será ao final do campeonato aquela que mais evoluiu em relação a temporada anterior.

Outra equipe que parece ter acertado a mão é a Toro Rosso. No segundo treino livre, Carlos Sainz terminou com a sétima melhor marca e Kvyat foi décimo. Um bom começo, diga-se.

Pelas bandas da McLaren o começo não foi tão assustador como se previa. Alonso e Vandoorne conseguiram acumular boa milhagem. Por outro lado a performance ainda está longe do esperado. Fernandinho terminou o dia com o 12º melhor tempo, a 2s380 de Hamilton.

Ilustrando o post, a bela e elegante  Ferrari 412T - 1994 - GP de Mônaco

Abaixo a programação:




21 de março de 2017

57

 Ainda que o piloto brasileiro não tenha vencido nenhum Mundial com a Lotus, esse carro é para mim um dos mais emblemáticos na carreira de Senna. Foi a bordo desse bólido  preto e dourado que o piloto do capacete amarelo começou a fazer história. Se vivo fosse, Ayrton Senna completaria hoje 57 anos.

20 de março de 2017

AUSTRÁLIA - 17

Começa neste final de semana em Melbourne, na Austrália, a 68ª  temporada da F-1.

Por tudo o que se viu na pré-temporada, ainda que exista uma certa expectativa sobre o desempenho a ser apresentado pela Ferrari, no circuito de Albert Park, arriscaria dizer que a Mercedes ainda segue como favorita. Talvez com uma vantagem menor sobre a Ferrari,  talvez... Ainda assim, estará a frente.

Williams e Red Bull deverão duelar pelo posto de terceira força neste início de Mundial. Ainda que a equipe inglesa tenha apresentado performance superior durante os treinos realizados na Espanha, espera-se uma melhora substancial da equipe rubro-taurina em Melbourne. E nunca é demais lembrar Adrian Newey é a cabeça por trás do exército de projetistas da Red Bull.

Um pouco abaixo aparecem Force India, Hass, Renault e Toro Rosso. Nos oito dias de testes da pré-temporada, as quatro escuderias apresentaram desempenhos muito próximos. A briga no pelotão intermediário promete ser interessante. A escuderia que conseguir adaptar mais rapidamente sua máquina as condições da pista australiana, levará vantagem.

Bem mais atrás aparecem Sauber e McLaren. A equipe helvética não tem muitas pretensões. Os suíços apostam suas fichas na confiabilidade da sua unidade de potência para quem sabe, com muita sorte, terminar a corrida a zona de pontos. O que não será nada fácil, diga-se.

Já a equipe inglesa vive seu inferno astral com a Honda. Passadas duas temporadas desde seu retorno as pistas, os japoneses parecem ter conseguido o impossível. Andaram para trás. Só para ilustrar o tamanho da encrenca, circula a informação que a McLaren chegou a consultar a Mercedes sobre a possibilidade de utilizar ainda nesse ano a unidade de potência alemã. Por falta de caixa, a substituição da motorização não deverá acontecer. Ainda que o time inglês exercesse a cláusula de performance para romper o contrato, a saída dos japoneses significaria um buraco de US$ 90 milhões no orçamento do time inglês, dinheiro esse que a McLaren não tem disponível.

Algumas curiosidades sobre Melbourne...

- Será o 22º GP a ser realizado no circuito de Albert Park. De 1985 a 1995 o GP da Austrália aconteceu nas ruas de Adelaide;

- O maior vencedor é Michael Schumacher, com quatro triunfos; entre os pilotos em atividade, Lewis Hamilton e Kimi Raikonnen, lideram nesse quesito, com duas vitórias;

- Até agora, nenhum piloto brasileiro subiu ao degrau mais alto, em Melbourne; Senna e Piquet venceram em Adelaide;

- Nos últimos nove anos, em oito oportunidades o Safety Car foi acionado.

Ilustrando o post, Ayrton Senna e Keke Rosberg duelando em Adelaide - 1985


19 de março de 2017

IMAGENS HISTÓRICAS

Johnny Herbert a bordo da Lotus-Mugen 107C - Interlagos - Grande Prêmio do Brasil 1994. A última temporada da verdadeira Lotus.

14 de março de 2017

PINK PANTER

A Force India revelou a pouco mudança no seu tradicional fardamento.

Após a assinatura de acordo de patrocínio, com a BWT, empresa austríaca especialista no tratamento de água, o time indiano vestirá rosa nesta temporada. As novas cores farão sua estréia daqui a duas semanas, em Melbourne, na Austrália. O rosa também estará presente nos cascos dos pilotos, Sergio Perez e Esteban Ocon.

A alteração radical no fardamento é uma indicação clara da força desta nova parceria. Talvez a mais significativa nestes dez anos da equipe na F1.