20 de outubro de 2011

No túnel do tempo - Senna tricampeão

Há exatos vinte anos, Ayrton Senna da Silva vencia o terceiro campeonato de F1, talvez o mais fácil dos três. O brasileiro entrava para o seleto grupo dos tricampeões, igualando Nélson Piquet, Niki Lauda, Jackie Stewart e Jack Brabham.


Com um começo de temporada arrasador, vencendo as três primeiras provas, Senna teve folego suficiente para segurar o crescimento da Williams de Nigel Mansell ao longo da temporada.


Na penúltima prova da temporada, em Suzuka no Japão, Senna tinha o primeiro match point nas mãos. Bastava não deixar Mansell vencer para faturar mais um caneco.


 Na largada, Ayrton tratou de segurar Mansell enquanto seu parceiro Berger escapava na ponta. As voltas iniciais foram tensas, com Mansell colocando pressão em Senna, mas o brazuca sabia se garantir.


Na ânsia de passar Senna, o velho Leão cometeu um erro no curvão, logo após a reta dos boxes. Como não lembrar daquela madrugada de domingo, onde o locutor da Vênus Platinada se esgoelava de tanto gritar: Passou reto Mansell, passou reto Mansell...
Com o Leão fora, o titulo estava garantido, mas Senna não queria saber de brincadeira. Saiu em perseguição a Gerhard Berger e passou o companheiro.


Tudo apontava para mais uma vitória de Ayrton, até que a  poucos metros da bandeirada, o brasileiro abriu caminho para Berger vencer - a equipe havia pedido pelo rádio a inversão da posições, era dia de festa.


Tudo levava a crer que nos anos seguintes o pais verde e amarelo continuaria a forjar grandes campeões. Imaginava-se que Ayrton venceria mais um ou dois campeonatos, que viriam sucessores do mesmo calibre...mas nada disso aconteceu. 


Passados vinte anos dessa conquista, o Brasil nunca mais sentiu o doce sabor de vencer. Em 2008, Felipe Massa teve nas mãos um titulo por vinte segundos talvez.... acabou vice-campeão - mas lutou diretamente pelo campeonato.


Rubens Barrichello também faturou outros dois vice-campeonatos, dirá alguém. O que não deixa de ser verdade, mas a realidade é que Barrichello jamais esteve em condições realmente de vencer


Em resumo, o Brasil vive um periodo de seca que está longe de acabar, infelizmente. E pelo andar da carruagem, chegará o dia em que não teremos mais nenhum piloto brasileiro na F1. Não adianta fantasiar, essa é a realidade .

5 comentários:

Alessandro Lefevre disse...

Quando Senna morreu, eu me lembro do que estava fazendo. E no dia 20 de outubro de 91, o que você estava fazendo? Há exatos 20 anos, Ayrton Senna do Brasil levantava o caneco do tricampeonato de Fórmula 1. Há exatos 20 anos, os brasileiros vibravam, em frente à TV, com a vitória do piloto da McLaren em Suzuka, no Japão.

http://paixaoclubistica.blogspot.com/2011/10/aniversario-de-20-anos-do-tri-mundial.html

orlando disse...

Quando lembro do Senna me vem sempre a mesma frase a cabeça .

Vivo sempre sem saber
quanto tempo durará a simplicidade do vento.

Bela matéria.
Abçs.

Ron Groo disse...

Eu me lembro como se fosse ontem, e olha que torcia pro Piquet. hehehehe

Senna é mito.

Marcos Antônio disse...

grande corrida do Senna, um tri mais do que merecido. Essa comemoração é triste também, afinal não tivemos mais nenhum piloo campeão mundial...uma pena.

TW disse...

Marcelonso,

que corridaça aquela! e estás certíssimo, não vejo um futuro muito longo para o Brasil na F1, infelizmente.

abs