21 de outubro de 2011

Subindo no telhado

Os organizadores do GP da Coréia andaram fazendo as contas e pasmem - descobriram que o buraco em suas contas cresce assustadoramente a cada corrida - só neste ano, o rombo foi de US$ 56 milhões de verdinhas...E olha que estamos apenas no segundo ano da "tradicional" corrida coreana.

O futuro do GP coreano está em cheque. O promotor do evento, Park Won Hwa, admite a possibilidade de roer a corda, a menos que Bernie Ecclestone, o manda-chuva, conceda um desconto na sua taxa "simbólica" cobrada anualmente dos organizadores (estima-se que a taxa "simbólica" seja de US$ 50 milhões). Sei não, tio Bernie não abre a mão, nem para dar adeus!


A pressão politica sobre os organizadores cresce a cada dia. O circuito foi construindo numa região predominante agricola, cercado por uma comunidade de baixa renda que não tem a menor afinidade com o esporte a motor, e ainda que tivesse - como poderia pagar o alto preço dos ingressos?

 A população local está indignada com tamanha gastança num evento que não acrescenta nada a região. A comunidade deixou claro que o evento é impopular. O povo deseja que esse dinheiro seja utilizado para outros fins e não para patrocinar corrida de carros.

No fundo esse pessoal está coberto de razão. Essa corrida na Coréia, ainda mais na região escolhida, não faz sentido algum. E sejamos honestos, não vai fazer a menor falta.






3 comentários:

Ron Groo disse...

O responsável pela construção do circuito e pela ida da F1 pra lá já está até preso.
Crime contra a economia nacional.

Ah se aqui fosse assim.

Marcos Antônio disse...

ih rapaz...eu tava comentando com um amigo que esse circuito lembra Aida mas não sabia pq. agora eu sei. é pq não vai durar mto tempo na F1 também.

TW disse...

Marcelonso,

se dependerem do tio Bernie, podem esperar sentadinhos. Esse GP não fará a menor falta. Se fosse no Brasil, seria mais um elefante branco.

abs